Charlotte Street – Danny Wallace

29/08/2012

NC-Charlotte_capa-FINAL-novissima-1Tudo começa com uma garota… (porque sim, sempre há uma garota…) Jason Priestley acabou de vê-la. Eles partilharam de um momento incrível e rápido de profunda possibilidade, em algum lugar da Charlotte Street. E então, em um piscar de olhos, ela partiu deixando-o, acidentalmente, segurando sua câmera descartável, com o filme de fotos completo… E agora Jason — ex-professor, ex-namorado, escritor e herói relutante — se depara com um dilema. Deveria tentar seguir A Garota? E se ela for A garota? Mas aquilo significaria utilizar suas únicas pistas, que estão ainda intocáveis em seu poder… É engraçado como as coisas algumas situações se desenrolam…

“Assim como as coisas boas se vão… ela se foi” – Hovis Presley (citação de abertura no livro)

Eu não li nenhuma resenha desse livro, mas vi muitos comentários nas redes sociais elogiando e falando super bem da história. Eu já estava ansiosa e querendo muito ler e ver esses comentários, de certa forma, aumentava a minha expectativa. Por fim, acho que minhas esperanças de ser um livro perfeito eram tantas que não tinha como não me decepcionar.

Jason Priestley começa o livro já explicando que não, ele não é o ator que fez sucesso na década de noventa em “Barrados no Baile”. Isso não seria um problema se não fosse repetido tantas vezes. Sim, algumas até fazem sentido e até dá para entender o quanto ele deve estar cansado com as comparações, mas cada vez que ele fala seu nome completo vem algum comentário, brincadeira ou algo referente a essa similaridade no nome, o que me fazia revirar os olhos.

O caso é que Jason é realmente chato em sua narrativa. Ficou praticamente impossível me aproximar dele e com isso a leitura demorou muito mais do que o costume. Além de chato, ele é repetitivo em alguns pontos, como por exemplo, cada vez que ele fala onde mora ele faz questão de repetir que é em cima de uma loja de vídeo games que fica perto de um lugar que todos pensam ser um bordel mas que não é. E isso é apenas um pouco do que senti com o personagem principal e narrador de Charlotte Street.

“ – Não ache nada. Se pensar, você nunca irá superá-la verdadeiramente. Pensar só prolonga as coisas.
Então, decidi não pensar.” (pág. 94)

Já que estou levantando os pontos negativos no livro, outra coisa que fez com que eu não me aproximasse mias da história e do personagem foi uma questão na tradução. A história se passa em Londres, tem várias referências a cidade e seus arredores, muitas referências a programas de TV e cada vez que se fala em dinheiro foi usado “reais”. Isso acabou me distanciando cada vez mais, porque eu ficava pensando “será que eram 3 Libras e somente traduziram para 3 Reais ou era menos e converteram para o valor em Reais”? Pode parecer ridículo uma observação dessas, mas com tantas referências a Londres, teria ficado mais real eles falando em Libras e de certa forma ajudaria a minha conexão com a história, afinal eu gostaria de ao menos me sentir realmente em Londres durante a leitura.

“Nunca me senti tão sozinho. Nunca tão consciente de mim mesmo. O que eu era, o que não fui e o que eu queria.” (pág. 11)

Bom, vocês devem estar achando que o livro não vale a pena ser lido e que eu detestei, mas não foi bem assim… Como disse, minhas expectativas estavam altas demais o que me fez ficar distante demais com o andar que a carruagem estava tomando e crítica demais com o que ia lendo. Mas tinha algo que me fazia continuar seguindo a narrativa, mesmo sendo irritantemente confusa em alguns momentos.

Talvez foi o jeito diferente que a história estava sendo contada… Para ser mais clara, Jason está contando a história diretamente para o leitor, o capítulo 1, já nas primeiras linhas conta com um:

“Eu sei quem é você. Você é a pessoa que está lendo isso. Por qualquer razão, e em qualquer lugar, esse é você, e logo nós seremos amigos, e você nunca me convencerá do contrário.” (pág. 13)

E assim segue o livro, como se você estivesse lendo uma carta ou algo assim. Isso chamou minha atenção, embora eu não sei exatamente explicar o que me fazia seguir a história mesmo irritada com “Jase”.

Talvez o fato de que a tal garota da sinopse não aparece em metade do livro (ou mais). A gente vai conhecendo cada detalhe da vida de Jason e nem sabemos um pouquinho de nada da tal garota, ao menos não de verdade porque só sabemos o que Jason sabe: ela é uma estranha com quem ele teve um encontro rápido enquanto passava na rua e ela pegava um táxi. E isso fez com que eu quisesse realmente conhecer essa garota.

“E as nuvens devem ter escurecido e a chuva começado a cair, pois o céu desmoronou.” (pág. 98)

Outro ponto positivo é que em muitos momentos do livro coisas simples ganham um ar de poesia que encanta. Um exemplo disso são algumas citações que coloquei na resenha. Era difícil não reagir a elas, não pensar que você tem que pegar alguns exemplos do livro e trazer para sua vida, mesmo sendo coisas batidas e já repetidas como

“(…) você pode ser atropelado por um ônibus amanhã. Em vez disso, você deveria começar a fazer acontecer.” (pág. 345)

Resumindo, se você conseguir passar por cima do ‘fator Jason’, principalmente porque ele é o narrador e não colocar suas expectativas lá no alto, você poderá ter grandes surpresas com Charlotte Street.Lica

Romântica incurável com um toque de Drama Queen. Sonhadora, teimosa e viciada em livros, afinal, se você não pode cair no mundo, viva através dos personagens! Criadora do blog Amores e Livros, ainda acredita que um dia será paga para ler! Facebook / Twitter / Instagram

Que tal conferir também...

12 comentários

  1. Poxa... fiquei meio triste agora... esse é o lançamento que mais me encantou este mês... e agora fiquei ressabiada... se bem que se for pra superar frases repetidas, eu tô ficando mestre nisso, afinal eu li House of Night até o livro 9... isso é chato mesmo... =/
    Ainda assim eu vou me aventurar a ler... quem sabe depois do "soro Zoey" eu passe ilesa pelo Jason. =)

    ResponderExcluir
  2. Olha Danielle, comparando com House of Night, Charlotte Street é muito melhor! A Zoey ganha fácil no quesito repetição... De HoN eu li somente os 5 primeiros e não aguentei mais a Zoey, que além de repetitiva tinha umas "viagens" hehehehe

    Tente ler sim, dê uma chance...
    =*
    Lica

    ResponderExcluir
  3. Ah, eu estou bem entusiasmada para ler esse livro. Ainda não tinha lido nada sobre esses pontos negativos, a chatice do Jason, mas acho que posso superar. rsrs

    ResponderExcluir
  4. Oi...

    Adorei o livro principalmente pela a maneira como tu apresentou ele, me pareceu tão convidativo que estou doida para ler... Queria ter o dom das palavras como você tem... =/

    ResponderExcluir
  5. Quando eu vi a capa, já quis muito o livro, pois sou dessas que se apaixona por capas. Li algumas resenhas elogiando e me animei. Mas semana passada conversando com uma amiga que está lendo, fiquei super desanimada :( Agora com a sua resenha.. não sei mais se vou ler.

    ResponderExcluir
  6. Nossa que pena... Estava bem empolgada com esse lançamento e tinha tanta gente só falando bem. Isso desanima um pouco, sabe?
    Mas acho que de repente consigo superar os defeitos do livro, e vou tentar pensar mais nos pontos positivos dele ;)
    Ele não saiu da lista de leituras, mas já não quero ler ele para ontem...

    ResponderExcluir
  7. Esse livro estava no número 1 de esperados dos lançamentos de agosto. Pena que ele não é tão perfeito como algumas pessoas pintaram por ai. Ainda quero ler, afinal pelas citações e como vc comentou se o ar de poesia encanta dá para superar o Jason =)

    ResponderExcluir
  8. Outro livro que não sei porque não me fisgou com a sinopse. Acho que o caso é que estou com tantos livros na lista de leituras que tenho que começar a ser mais seletiva... Bem, pela sua resenha parece que não estou muito errada em deixar ele passar.

    ResponderExcluir
  9. Acredita que eu devorei o livro? E nem achei o Jason tão chato assim...rs
    Só que eu senti falta da "garota" aparecer mais no livro, não com o Jason, mas de repente uns capítulos com o ponto de vista dela e tal para sabermos mais sobre ela desde o início do livro...

    ResponderExcluir
  10. Essa é a segunda resenha meio negativa sobre o livro. Sei lá, eu tinha uma idéia totalmente errada, achava que era mais um romance daqueles de arrancar suspiros, mas li em sua resenha, que parece que a história não engrena.
    Sabe, dá a sensação de que o foco em encontrar a tal garota, acaba tirando tudo que tem em volta.
    Perdem-se as paisagens, perde-se a vida e centra-se somente num ponto. Não acho isso bacana...rs
    Mas, ainda assim, quero ler o livro sim :)

    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Lica, acredita que não gostei do livro? A sinopse dele é perfeita, o começo do livro muito bom.
    Mas achei a leitura cansada, tanto que na metade do livro deixei de lado e partir pra outro.
    Também tive um problema com essa coisa de moedas, gente, pra quê mudar? Fiquei bem confusa e me perguntei várias vezes o que estava acontecendo, isso deixa a leitura bem estranha :(
    No demais, creio que tu passou na resenha exatamente o que o livro conta.
    Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  12. Ai menina estava louca pra ler esse livro.
    Mas depois dessa resenha fiquei triste, até escolhi esse livro como presente de aniversário.
    E principalmente pq a tal garota não aparece em metade do livro.
    Bjks.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre =^.^=

*** Comentários serão respondidos por aqui mesmo, através de comentário.

Acompanhe por E-mail

Facebook

Editoras Parceiras