Cartas Secretas Jamais Enviadas - Emily Trunko

01/06/2018

“Você já desejou poder voltar no tempo e dar conselhos para si mesmo? Já quis ter coragem de falar como é forte o amor que sente por alguém? Alguma vez já se perguntou por que uma pessoa importante na sua vida parou de falar com você? A partir de contribuições anônimas, Emily Trunko reuniu nesta coletânea cartas que revelam segredos profundos de quem as escreveu. Afinal, muitas vezes o único jeito de lidar com nossos sentimentos mais intensos — seja um amor incondicional ou uma perda irreparável — é botando tudo no papel. A leitura destas cartas nos permite mergulhar na vida de seus remetentes e, ao mesmo tempo, redescobrir nossa própria história e perceber que, mesmo nos piores momentos, não estamos sozinhos.”
Compre:


Olá! Já pensou em escrever uma carta anônima, para desabafar suas maiores dores e problemas? Publicá-la na internet, de forma anônima, para que mais pessoas compartilhem sua experiência de vida? É bem sobre isso que trata a resenha de hoje!
Ao receber em mãos o livro Cartas Secretas Jamais Enviadas (Publicado no Brasil pela Editora Seguinte), logo fiquei contente: uma obra colorida e cheia de imagens bacanas, com um tema que me interessou, a princípio:

Emily Trunko, uma adolescente norte-americana, criou um blog para ajudar adolescentes com dificuldades parecidas com as suas. E faz tanto sucesso, que seu projeto acabou virando livro!
OK. Até aqui, tudo ótimo, só elogios. Mas... No decorrer da leitura, acabei percebendo que a maioria das carta e textos tratam de problemas e questões complicadas, muito difíceis de lidar sem o anonimato. Sim, o livro traz uma carga um tanto depressiva, ao revelar problemas de AMOR, FAMILIA, CORAÇÂO PARTIDO, TRAICAO, entre outros. (Todos os temas e suas cartas são divididos em capítulos bem curtinhos).
No final da obra, encontrei os dois melhores capítulos. E também uma sessão “compartilhe e escreva sua carta”, onde a autora incentiva o leitor a revelar suas maiores dores e dilemas.

Se gostei da leitura? Não. Esta é uma obra cheia de dores, problemas e fortes questões, em grande parte direcionadas ao público adolescente. O intuito da autora com esta obra foi muito válido, mas ao final da leitura, tive a sensação de ter lido uma obra de auto-ajuda um tanto negativa, que me deixou pra baixo. Não curti!
Recomendo, para quem tem curiosidade em descobrir o que há de mais profundo na alma humana. Leia, escreva sua carta, se tiver necessidade. Mas aprecie este livro com moderação, para não acabar ainda mais na deprê!

Escritor e poeta blumenauense, apaixonado por cinema, literatura e Oktoberfest. Formado em Letras, casado e pai adotivo de um gato preto. Skoob Wattpad Twitter

Que tal conferir também...

2 comentários

  1. Ricardo!
    Como faço correspondência há uns 40 anos, sei o poder que as cartas exercem para quem as escreve e para quem as recebe, é algo catártico e intenso.
    Fiquei interessadíssima em poder ler esse livro que pelo visto, tem uma diagramação linda e colorida e conteúde que sensibilizará profundamente.
    Uma pena que tenha sido uma leitura triste e deprimente para você.
    Desejo um mês repleto de realizações!
    “O que eu sinto eu não ajo. O que ajo não penso. O que penso não sinto. Do que sei sou ignorante. Do que sinto não ignoro. Não me entendo e ajo como se entendesse.” (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA JUNHO - 5 GANHADORES
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rudynalva! Sim, o que mais chama a atenção nesta obra é o poder das cartas, e de seu anonimato! Vale a leitura, para quem quer descobrir fortes emoções!

      Excluir

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre =^.^=

*** Comentários serão respondidos por aqui mesmo, através de comentário.

Acompanhe por E-mail

Facebook

Editoras Parceiras