É melhor não saber – Chevy Stevens

28/05/2013

_MELHOR_NAO_SABER_1359550550BSara Gallagher nunca sentiu que pertencesse de verdade à sua família de criação. Embora sua mãe seja amorosa e gentil e ela se dê bem com sua irmã Lauren, a relação com o pai e a irmã caçula, Melanie, sempre foi complicada.
Às vésperas de se casar, Sara decide que está pronta para investigar o passado e descobrir suas origens. Mas a verdade é muito mais aterrorizante do que ela poderia imaginar. Sara é fruto de um estupro, filha do Assassino do Acampamento, um famoso serial killer.
Toda a sua paz acaba quando essa história é divulgada na internet e o pai que ela anteriormente queria conhecer resolve entrar em sua vida de forma avassaladora. Eufórico com a descoberta de que tem uma filha, John vê nela sua única chance de redenção. E, para criar um vínculo com Sara, ele está disposto a tudo, até a voltar a matar.
Ao mesmo tempo, a polícia acredita que essa é sua única chance de prender o assassino e resolve usá-la como isca. Então Sara se vê numa caçada alucinante, lutando para preservar sua vida e a de sua filha.
É melhor não saber é um complexo retrato de uma mulher tentando entender suas origens. Uma história cheia de reviravoltas, na qual ninguém é completamente bom ou mau.

“Quando voltamos para casa, o tapete estava todo destruído. Minha vida é como aquele tapete: levou anos para ser costurado. Agora tenho medo de que, se eu continuar a puxar essa única ponta, tudo se desfaça. Mas não sei ao certo se consigo parar.”  (pág. 21)

Conheci Chevy Stevens através de Identidade Roubada. Eu realmente amei o livro e fiquei mais que curiosa para ler É melhor não saber. Quando comecei a leitura, confesso que não tive a melhor das impressões… É que fiquei preocupada ao perceber que o livro começava em uma sessão de terapia e já fui logo achando que seria apenas mais do mesmo. Não foi um mais do mesmo e agora, penso que talvez seria melhor se tivesse sido.

Não que o livro seja ruim, ele não é. A premissa é ótima e a história tinha tudo para dar certo. O problema para mim foi o foco em pontos quase desgastados nesse estilo de narrativa (como o velho vou ou não vou, me encontro ou não me encontro com um assassino) e a falta de profundidade em alguns aspectos das personagens. Adoraria ver explorado melhor algumas características que pai e filha tem em comum e em como elas se mostram de formas diferentes entre um assassino e uma mãe-dona-de-casa. Aposto que a própria Sara poderia ser muito mais interessante.

Derek era inteligente e divertido, mas não foram essas qualidades que me seduziram. Eu me senti fascinada no instante em que ele disse: ‘Não estou pronto para nada sério agora, porque acabei de romper com uma garota.’ Era isso que me atraía irresistivelmente em todos os relacionamentos: indisponibilidade e uma grande chance de partir meu coração.” (pág. 36)

Falando em Sara… A personagem principal não me cativou muito. Ela tem todas aquelas coisas chatas de “só porque sou adotada ninguém gosta de mim realmente”. Junto com isso ainda tem a teimosia que algumas vezes faz parecer que somente ela tem a razão. E o relacionamento dela com sua filha Ally também não me agradou. As duas me irritaram muito durante a leitura. Embora tenha uma justificativa para Sara tratar Ally do jeito que trata, a criança apareceu para mim apenas como mais uma menina chata e mimada.

Bom, talvez elas nem sejam tão irritantes assim e isso seja só coisa minha. Pode ser que eu esteja pegando pesado demais, pode até ser que eu estivesse lendo cobrando demais da autora e que eu não tenha entendido as personagens. Digo que pode ser coisa minha, porque no fundo, essa irritação toda não foi o suficiente para que eu desistisse da leitura.

Você alguma vez já sentiu que tinha tudo nas mãos, tudo o que sempre quis, mas de repente o deixou cair ou o apertou com força demais? Durante todo o caminho até aqui, tentei encontrar a analogia perfeita para o que tem acontecido. E não é que é apenas a história da minha vida? Estou sempre tentando torná-la perfeita.” (pág. 224)

Embora tenha achado algumas coisas superficiais demais, penso que o mais interessante em É melhor não saber é que conforme você vai lendo e conhecendo os personagens você percebe que essa coisa de bom e mau é muito relativa. Um personagem aparentemente bom pode ter uma atitude extremamente má, assim como o contrário. E eu adorei demais isso. Fez com que a cada capítulo eu me perguntasse “será que é isso mesmo?”

Não é novidade que eu adoro série policiais (tipo Criminal Minds) e sempre torço para as vítimas (ou iscas) aceitarem ajudar a polícia. Foi interessante olhar a história pelo outro lado e ver o ponto de vista de uma isca (ou vítima). Isso me fez pensar o que eu faria em uma situação dessas e eu ainda não tenho uma resposta segura para essa pergunta…

Quanto ao final… Eu não acertei de cara para onde a trama estava caminhando e acabei sendo surpreendida. Mas não duvido se diferentemente de mim, você acertar as coisas. Eu esperava mais, queria um livro tão fantástico quanto o primeiro da autora e talvez isso tenha feito eu achar É melhor não saber apenas bom. Ainda assim,  mesmo esperando um pouco mais, gostei do livro e indico a leitura.Lica

Romântica incurável com um toque de Drama Queen. Sonhadora, teimosa e viciada em livros, afinal, se você não pode cair no mundo, viva através dos personagens! Criadora do blog Amores e Livros, ainda acredita que um dia será paga para ler! Facebook / Twitter / Instagram

Que tal conferir também...

9 comentários

  1. Odeio essas personagens cheias de mimimis. Elas me irritam profundamente, e se esse comportamento vem da protagonista, fica pior ainda. Pelo menos o final te surpreendeu um pouco. Vou tentar ler pra saber a vibe dele.

    @_Dom_Dom

    ResponderExcluir
  2. Oi Lica,
    Eu gostei da capa pelo ar soturno, e tinha ficado curiosa com a sinopse, por me lembrar outra obra. Mas pelo visto para por aí a semelhança.
    Ainda assim creio que ele seja uma boa leitura, mas sei que não devo esperar demais dele.
    Sara mexeu na onça com vara curta e vai se arrepender das consequências. Era melhor ter ficado só com o drama de "ninguém gosta de mim por ser adotada".
    Gosto de crianças em livros quando elas são de ajuda, mas essa criança mimada não me atraiu. =(

    ResponderExcluir
  3. queria muito ler o outro livro dela e lançou esse. Agora quero os dois! Muito bom esse livro, adorei tudo nele e já amo ler histórias assim, então se for ler já sei que vou gostar.

    ResponderExcluir
  4. Oi Lica, tudo bem? Não conhecia esse livro e também nunca li nada de Chevy Stevens, mas super curto um livro policial cheio de suspense e acho que esse livro com certeza faz a minha linha =P

    beijos
    Kel
    porumaboaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Já li outras resenha desse livro, e sei que a narrativa dele é meio intensa mesmo, e acho que até meio confusa as vezes, mas acho que esse livro deve ser eletrizante!

    ResponderExcluir
  6. Adoro este estilo de livro .. tramas policiais com iscas e tal... apesar de atualmente estar lendo só romances ...rsrs
    Mais essa história parece interessante.. só tenho medo de ficar também chateada com a personagem principal..rsrs não gosto qdo eles fazem tipo "barulho por nada" atrapalham a história...

    ResponderExcluir
  7. Olha aí meu tipo de livro!!!
    Amei Identidade Roubada e mesmo que esse não seja como o primeiro não tenho dúvidas que vou curtir. Espero logo poder ter ele em minhas mãos.

    ResponderExcluir
  8. A escrita dessa autora tem sido elogiada.
    Todo livro com essa temática deveria nos surpreender no final, ponto positivo para a trama, ;)

    ResponderExcluir
  9. quais sao os personagens do livro?

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre =^.^=

*** Comentários serão respondidos por aqui mesmo, através de comentário.

Acompanhe por E-mail

Facebook

Editoras Parceiras