Meio Rei: Mar Despedaçado 1 - Joe Abercrombie

18/11/2016

Filho caçula do rei Uthrik, Yarvi nasceu com a mão deformada e sempre foi considerado fraco pela família. Num mundo em que as leis são ditadas por pessoas de braço forte e coração frio, ser incapaz de brandir uma espada ou portar um escudo é o pior defeito de um homem.
Mas o que falta a Yarvi em força física lhe sobra em inteligência. Por isso ele estuda para ser ministro e, pelo resto da vida, curar e aconselhar. Ou pelo menos era o que ele pensava.
Certa noite, o jovem recebe a notícia de que o pai e o irmão mais velho foram assassinados e não lhe resta escolha a não ser assumir o trono. De uma hora para outra, ele precisa endurecer para vingar as duas mortes. E logo sua jornada o lança numa saga de crueldade e amargura, traição e cinismo, em que as decisões de Yarvi determinarão o destino do reino e de todo o povo.
Joe Abercrombie nos apresenta um protagonista surpreendente, numa história de percalços e amadurecimento que abre a trilogia Mar Despedaçado. 


Jurei vingar a morte do meu pai. Posso até ser meio homem, mas sou capaz de fazer um juramento por inteiro.

Meio Rei é o primeiro livro que leio de Abercrombie. Ele entrou na minha lista pelo desafio que me fiz de sair mais da zona de conforto, e como tive algumas experiências interessantes, resolvi arriscar a leitura depois de ver a sinopse. Quem me conhece sabe que fantasia não é o meu forte, já que tentei outras vezes e não foram boas experiencias, mesmo assim, fui sem medo e me joguei na história que inicia a trilogia Mar Despedaçado.

Yarvi é o filho mais novo do rei Uthrik e por ter nascido com uma mão deformada é considerado um fraco - afinal, fisicamente ele não consegue levantar uma espada e segurar um escudo. Apesar de tudo, isso não chega a ser um problema para Yarvi. O que lhe falta em força ele tem em inteligencia e ele a aplica em seus estudos. Sua intenção é ser ministro, onde poderá curar e aconselhar - e assim poder ajudar de alguma forma o reino. De qualquer forma, o trono já está destinado ao seu irmão mais velho que, assim como seu pai é um ótimo lutador.

Acontece que mais cedo do que ele poderia imaginar, tudo em sua vida muda. Chega a notícia de que seu pai e seu irmão foram assassinados, fazendo com que Yarvi seja considerado o novo rei. E como filho e novo rei, é obrigação dele se vingar pela morte dos dois outros homens da família. Ninguém coloca muita fé em Yarvi, e ele percebe isso rápido. Ao mesmo tempo, ele também percebe que precisa endurecer para conseguir não só sua vingança mas também ser respeitado como merece.


" - As vitórias gloriosas rendem belas canções, Yarvi, mas as inglórias não são piores, depois que os bardos cuidam delas. Porém, as derrotas gloriosas são apenas derrotas.
- No campo de batalhas não existem regras - replicou Yarvi, lembrando-se de algo que seu pai lhe dissera uma vez quando estava bêbado e cansado de gritar com os cachorros.
- Exato. - Odem pousou a mão forte no ombro do sobrinho e Yarvi se perguntou como sua vida poderia ter sido muito mais feliz se o tio fosse seu pai. - Um rei deve vencer. O resto é insignificante." (pág. 25)

Dividido em 4 partes, Meio Rei é envolvente desde a primeira página. E eu que não gosto de fantasia me vi completamente apaixonada por uma - e com a maior vontade de ler mais e mais do autor. Não sei como ele conseguiu, mas mesmo quando eu imaginava que iria acontecer alguma coisa, ainda era surpreendida e isso me deixou muito empolgada.

Temos um personagem que é considerado fraco por causa de sua deficiência e que aceita as coisas como são. Sabe quando todo mundo fala que é preciso acreditar em si mesmo antes de qualquer outra coisa? No início, Yarvi não acredita que pode ser rei e ele não está incomodado em apenas estudar, mas os acontecimentos fazem com que ele seja obrigado a aceitar o seu destino. Ao se tornar um meio rei - já que por causa da sua mão ele é considerado um meio homem - ele é obrigado a encarar seu destino - que trazem outros percalços, que podem ser mais dolorosos do que perder seu pai e seu irmão.

Abercrombie escreveu um livro onde nada é tão simples como parece e a vida não segue um curso simples e fácil como poderia. Isso porque onde tem poder, também tem traição, cinismo, crueldade e amargura. São facetas interessantes de se ver, ainda mais quando elas surgem de onde você não espera. E é tão bom quando os personagens acabam não sendo somente o que parecem ser em um primeiro momento. Yarvi é obrigado a encontrar sua força e amadurecer, mostrando que não é apenas um garoto fraco e com uma mão deformada. E para mim, o mais interessante foi ver como ele muda durante o livro e como outros personagens mudam também. Esperando ansiosamente pelo próximo volume!!!

Romântica incurável com um toque de Drama Queen. Sonhadora, teimosa e viciada em livros, afinal, se você não pode cair no mundo, viva através dos personagens! Criadora do blog Amores e Livros, ainda acredita que um dia será paga para ler! Facebook / Twitter / Instagram

Que tal conferir também...

10 comentários

  1. Oi Lica,
    Já havia lido críticas positivas em relação a esse livro e já está na minha lista de desejados. Imagino que o livro seja ótimo já que você não gosta de fantasia e o enredo te prendeu. Achei a premissa bem interessante imagino que os desafios que terá que enfrentar como rei serão bem difíceis, principalmente por ser considerado fraco. Espero ter a oportunidade de lê-lo em breve.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Eu li diversas resenhas desse livro e todas só me deixam ainda mais ansiosa para conferir a leitura. Adoro fantasias, e essa me despertou o interessa já na sinopse, as resenhas só contribuíra para a minha vontade, rs.
    Que bom saber que uma pessoa não muito chegada no gênero gostou da leitura, isso só prova que vou gostar mesmo!
    Acho a capa muito bonita!
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Aline.

    Eu não tinha interesse em ler este livro no momento, mas lendo sua resenha e sabendo que tem um personagem que é considerado fraco por causa de sua deficiência, isso deixa a história mais interessante. Quero lê-lo o mais breve possível e vou adicioná-lo na minha lista de final de ano. Realmente fiquei curiosa.

    Bjos

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bom?
    Também não sou muito ligada em fantasias, mas, saber que você também é assim e que ainda assim o livro te ganhou dessa forma, te deixando ansiosa para os próximos exemplares, me encheu de curiosidade. Curti essa premissa de um personagem visto como fraco por causa de sua deficiência, mas, que surpreende. Já quero conferir!
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  5. Oi!!
    Nunca tinha ouvido falar desse livro, queria ter visto a capa numa imagem com qualidade melhor, as vezes, sinto vontade de ler um livro somente pela capa! rsrs
    Parabéns pelo post!!

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Oi, Lica ^^
    Desde o seu lançamento, Meio Rei me chama atenção até porque é o meu gênero favorito, seguido da distopia. <3
    Fico muito feliz em ver que o personagem principal não é perfeito, que tem um fator humano.
    A deficiêncian do Yarvi me lembra muito a do Tyrion Lannister, de AS CRÔNICAS DE GELO E FOGO, pois o mesmo sofre e não é considerado um homem perante a corte e até pelo próprio pai e olha que ele é um anão, diferente do Yarvi que tem deficiência numa das mãos.
    Fico feliz em ver personagens que ninguém dá nada mostrarem o quanto são inteligentes, que a estrutura física não importa no final das contas, que é a mente que consegue raciocinar e tomar decisões inesperadas mas que conseguem atingir seu objetivo com êxito.
    Sinto que vou gostar muito da leitura de Meio Rei. Quero ver como Yarvi lida com a perda do pai e do irmão e como vai lidar com a busca da vingança e respeito do seu povo.
    Parabéns pela resenha, Lica. É sempre bom variar os gêneros na leitura, fico feliz que finalmente uma fantasia te prendeu e olha que ainda foi uma medieval que é caracterizada por enredos mais elaborados e digamos que "parados".
    Bjs

    https://peregrinodanoite.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá, Lica!
    Bom, eu não conhecia este livro e a história me pareceu bem interessante..
    Sinceramente não encontrei na sua resenha elementos que caracterizem este livro como fantasia... Como disse, não conheço a história, então, não sei se há elementos mágicos ou sobrenaturais...
    Mas vou acreditar em vc rs
    Adoro fantasia e essa é uma boa dica =]

    ResponderExcluir
  8. Olá!
    Eu simplesmente amo fantasia, principalmente quando tem uma história complexa assim. Muito bom saber que a história é bem envolvente, até para você que não gosta do gênero. Adorei a sua dica e mal posso esperar para realizar essa leitura.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Eu adoro sair da zona de conforto, por que possibilita a aproveitar várias histórias e gêneros diferentes. Eu amo fantasia e sempre leio quando me interesso por algum titulo, esse em especial não tive tanta empolgação. Mas depois da sua linda resenha fiquei bem curiosa. Vou anotar a dica. Bjkas

    ResponderExcluir
  10. A história parece envolvente mesmo, acho que o protagonista já comove desde o começo da história. Mas ainda teria que ler, pois fantasia não faz minha cabeça muito não.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre =^.^=

*** Comentários serão respondidos por aqui mesmo, através de comentário.

Acompanhe por E-mail

Facebook

Editoras Parceiras