Caderno de um Ausente - João Anzanello Carrascoza

23/09/2016

Título: Caderno de um Ausente
Autor: João Anzanello Carracoza

Editora: Cosac Naify
Publicado em: 2014
Páginas: 128
Olá, leitor! 
Se você gosta de livros tocantes e poéticos, provavelmente irá gostar da indicação que eu trouxe nesta resenha. Hoje vamos saber mais sobre Caderno de um Ausente do autor João Anzanello Carrascoza
O que é viver sabendo que um dia tudo irá acabar para você, mas que irá continuar para quem está ao seu redor? Um dia teremos de encarar a morte, deixar o aqui e agora, deixar quem mais amamos e partir. Agora imagine a vida de um personagem, que já não é mais jovem como um dia fora, e que acabou de ver sua filha nascendo. A filha tão pequena e tão frágil para o que irá enfrentar no mundo afora. Uma vida que acabou de começar. Os seus primeiros minutos, suas primeiras semanas, seus primeiros meses e anos se encontrando com outra vida, uma vida desgastada, uma vida em seus últimos minutos, em suas últimas semanas, em seus últimos meses e anos. 
"Vens com esta marca, de minha ausência, a envolver inteiramente a tua vida, e este é um dos primeiros sustos que temos nesta existência, somos o que somos, não há como alterar a nossa história [...]"
Pois bem, é nesse momento que vamos nos inserir em acontecimentos da vida de um pai que escreve em um caderno para sua filha que acabou de nascer. Ele é perseguido por pensamentos pessimistas acerca do que será de Bia, sua filha, a partir do momento em que ele não estiver mais lá para cuidar dela. Pensamentos sobre o que ela irá aprender e o que ela irá ter de enfrontar em um mundo tão cruel como o nosso, motivam o pai a escrever esse diário a fim de que um dia sua filha leia tudo aquilo e encontre as respostas que precisa e para que, de certa forma, amenize a dor da ausência.  
O pai escreve de forma melancólica, como se já estivesse partido, como se já soubesse do futuro, como se ele mesmo soubesse a dor e a ausência da sua própria existência na vida de sua filha. Enquanto ele escreve, o sentimento de finitude acaba proporcionando várias questões existenciais, relatos e memórias da família, da vida do pai e da mãe, reflexões sobre sentimentos, emoções e ausências que podem orientar Bia em um futuro idealizado pelo pai, um futuro que ele não sabe como irá ser. Durante todos os relatos do pai, ele faz questão de lembrar várias vezes da impossibilidade de ver Bia crescer. Ou seja, ao mesmo tempo em que o pai tem que dar as boas vindas à filha que acabou de vir ao mundo, ele tenta também se despedir por meio do que ele escreve no caderno.
É um livro marcado por emoção, onde não existe uma história fixa, mas vários relatos e memórias que são colocadas de forma muito poética, simples e emocionante. O estilo de escrita me fez ficar muito tocada em cada página que passava. Apesar de ser escrito de forma simples, são temas pesados e é impossível o leitor não se emocionar, não se identificar, não marcar vários fragmentos. 
"[...] eu te amo” nem sempre é um incêndio, infinitas vezes é monotonia, o que vai do coração à língua perde muito de sua seiva no caminho, como a água é menos água entre o copo e a boca, o mel é menos mel no percurso do pólen ao favo."
Foi uma surpresa pra mim, como leitora, encontrar um autor que soube expressar com palavras e ausências a dor do incerto, um autor que soube mostrar a fragilidade das nossas vidas em forma de uma prosa carregada de poesia. Afinal, nosso cotidiano é marcado por incertezas, nós não sabemos como será o amanhã e o depois de amanhã, nós não sabemos o que será de nós e o que será de quem amamos. Então, foi uma grata experiência ler toda essa incerteza em forma de palavras. Foi emocionante acompanhar a ansiedade, a tristeza e a melancolia de um personagem que já sabe o seu fim. 
"E, igual às flores, as alegrias também apodrecem no dia seguinte."
Obrigada se você leu até aqui! Espero que tenha gostado da resenha que nunca irá ser a completa e perfeita descrição de como eu me senti ao ler esse livro.

Estrelinhas: 5/5 

Meu sonho é ser companion (e ter um pug).

Que tal conferir também...

16 comentários

  1. Nossa, mesmo sem ler o livro já amei! Sua resenha está ótima e me convenceu de vez a ler o livro. Embora eu ainda não conheça esse escritor, esse parece aquele tipo de livro tocante e difícil de se esquecer, alem claro de nos fazer refletir. Vou preparar o meu psicológico e procurar ler esse final de semana mesmo! Beijos

    ResponderExcluir
  2. Nossa, parece mesmo ser um livro super tocante, e por isso, já me interessei totalmente por ele. Esse sentimento de finitude deve dar um ar ainda mais melancólico em nós o que pode nos deixar ansiosos pra acabar a leitura. E isso não é ruim. Vou procurar preços desse livro e quem sabe eu não o adquira?
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Uau. Simplesmente uau. Essa resenha despertou em mim uma vontade gigantesca de ler esse livro. Gosto de livros que trabalham com as emoçoes cruas e conseguem com palavras simples arrancar algo de dentro de nós, desconhecia o livro e o autor, mas esse sem sombra de dúvida entra na minha lista de leitura. Amei a resenha. Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oie,
    Eu não conhecia o livro, ele parecer ser magnifico, eu quero muito ler, realmente a vida é incerta, não sabemos o que vai nos acontecer no próximo dia, como seremos amanha ou como nossos filhos serão, achei impressionante o autor trabalhar esse tema.
    Beijos *-*

    ResponderExcluir
  5. Sem dúvida uma leitura maravilhosa, envolvente e inesquecível!!! Adorei sua resenha.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Oie, seu post me deixou tocada, aliás parece ser uma leitura muito profunda. Por outro lado parece ser de uma melancolia que beira a depressão. Imagino os dramas que o autor deve ter vivenciado e isso deixa tudo muito mais real, um livro quase experencial. Dica anotada!

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    O livro parece ser muito emocionante. Apesar de não gostar muito de escrita poética, o livro me chamou muito a atenção pelo tema. Fiquei morrendo de vontade de realizar a leitura.
    Beijos.
    http://arsenaldeideiasblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  8. Olá Amanda,
    Ainda não conhecia o livro e achei a ideia bem interessante. Adorei você ter escrito que nosso futuro é marcado por incertezas e também fiquei contente por saber que a leitura foi uma grata surpresa. A única coisa que não me agradou muito foi saber dessa questão mais melancólica do livro. Não sei se gostaria de ler um livro assim.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  9. Oi Amanda,
    Nossa que resenha mais perfeita, amei a sua descrição desse livro que nem conhecia mais que já estou completamente cativada por essa escrita.
    Amo livros tocantes, porém, nunca me aventurei em um livro poético assim, mas fiquei tão envolvida com essa resenha que a sensação é de que preciso ler esse livro tão singelo e emocionante. Amo livro cheios de reflexões, e esse por passar lições tão belas em forma de relatos e memórias com certeza vai em conquistar.
    Adorei a indicação ;)
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Amanda!
    Fiquei emocionada ao ler sua resenha, porque acredito que é a maior forma de amor que um pai pode demonstrar por sua filha.
    E fiquei encantada por saber que o autor teve sensibilidade em transmitir através de palavras esse sentimento.
    “A sabedoria só nos chega quando não precisamos mais dela.” (Che Guevara)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. poxa, fazia tempo que não lia uma resenha sobre um livro desse tipo... fiquei extremamente tocada pelo que a premissa nos traz... nunca tinha ouvido falar da obra, e sendo da Cosac, acredito que realmente é um bom título pra se ter na estante...
    anotei a dica... gosto de enredos que tragam tanto pesar e melancolia, reflexões e afins...
    e essa capa tá bem atrativa...
    bjs...

    ResponderExcluir
  12. Oiee ^^
    Eu ainda não conhecia o livro, e acho que também não conhecia o autor, mas gostei da premissa. Parece ser mesmo uma obra muito linda e poética, bem o tipo de livro que eu estou querendo ler no momento. Saber que você se surpreendeu e se emocionou com a obra me deixou animada.
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Oi.
    Linda resenha, você soube expressar muito bem a emoção que o livro passou na sua leitura. Com certeza uma livro com uma mensagem muito bonita. Talvez um dia venha a ler. Obrigada pela indicação. Beijos.

    ResponderExcluir
  14. Pela capa do livro e o começo da resenha pensei logo, esse livro não deve ser bom, não vou ler. Mas quando cheguei no fim da resenha foi já louca pra ler o livro. A história com certeza é linda e tocante. Quero ler com certeza.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  15. Nossa Amanda, que triste! Nunca li um livro com um enredo deste jeito, e devo dizer que o autor deve ter tido uma sonora inspiração, pois é complicado passar tanto sentimento de uma coisa que nem vivemos.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  16. Espero em breve ler e me sentir essa nostalgia, que senti agora lendo a resenha, acho que o enredo do livro proporciona essa melancolia toda, gosto disso, e espero não chorar aos montes
    !

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre =^.^=

*** Comentários serão respondidos por aqui mesmo, através de comentário.

Acompanhe por E-mail

Facebook

Editoras Parceiras