O médico da humanidade e a cura da corrupção - Augusto Cury

22/12/2016

A humanidade, em particular o Brasil, está em chamas devido à corrupção. Mas como ela se instala na mente humana? Todo ser humano tem vampiros mentais capazes de asfixiá-lo, como o orgulho, a ira, a inveja, o ciúme, a dissimulação, a ambição e a necessidade neurótica de ser o centro das atenções. Esses vampiros costumam ser imperceptíveis aos hospedeiros, embora os destruam. Este impactante romance histórico-psiquiátrico mostra como esses vampiros se alojaram na mente de um poderoso político, um líder considerado incorruptível. O homem rejeita a ideia de estar doente até deparar-se com o misterioso H, o médico da humanidade. Para diagnosticar suas fraquezas, H o leva a viajar pela história e a conhecer a formação da personalidade do sociopata Hitler, a prática da guilhotina na Revolução Francesa, a negação de Pedro a Cristo, o julgamento de Sócrates. No decorrer dessas viagens incríveis, o líder fica assombrado ao descobrir que está sangrando pelos vampiros da corrupção. AUGUSTO CURY, psiquiatra e escritor publicado em dezenas de países, cujos romances estão ganhando as telas do cinema, cria neste livro um personagem capaz de emocionar e de desmontar as maiores convicções do leitor. Prepare-se para se surpreender.


Olá povo leitor, como estão? Espero que maravilhosamente bem. Bom, esse ano não foi um ano de grandes leituras pra mim, mas termino 2016 com a sensação de dever cumprido depois de ler esse livro do Augusto Cury.

Sou suspeita em falar desse autor, psiquiatra, palestrante, coach e todas as outras funções que ele desempenha, afinal, já li diversos livros dele e ele sempre me surpreende - e dessa vez, não foi diferente. 

Começamos o livro com um ambiente bastante incomum: um avião passando por uma turbulência muito perigosa. Conhecemos então nosso personagem principal: um candidato a presidente que se diz muito honesto e incorruptível. Seu nome? Napoleão.

Napoleão é um renomado advogado que começou sua carreira na política como vereador, passando a ser prefeito, governador e então, candidatou-se à presidência. No momento político que nosso país está vivendo, a história vem bem a calhar, não é mesmo? 

Eis que no meio dessa turbulência, surge o tal do Mestre H. Quem seria ele e que audácia teria esse homem em questionar a vivência de Napoleão? Ao lado do senhor H, Napoleão escuta poucas e boas, e e se vê cercado de questionamentos que seu orgulho não permitia enxergar antes. Ele se questiona em diversos momentos do livro se está ficando louco, se tudo não passa de um sonho ou de uma brincadeira de mau gosto.

13100732_10154231754728825_1521624235987466292_n

Queridos leitores, não se trata de um livro de autoajuda, mas sim, de um livro ótimo que nos faz pensar. Não somos corruptos ao furar a fila de um branco, estacionar em vagas para idosos e deficientes, receber o troco errado? Sem dúvidas, um livro que nos faz questionar todas as formas de corrupção. Indico muito o livro para aqueles que junto de Napoleão, querem pensar em suas atitudes. É impossível ler esse livro e ficar indiferente a ele.

Trecho favorito:

"Ninguém pode ser um grande líder se não consegue liderar sua aeronave mental. Como pretende gerir uma nação, se não pode gerir seu orgulho?"


Por hoje é só! 
Até a próxima!

Sou a Fabi.... blogueira, escritora e eterna sonhadora!

Que tal conferir também...

10 comentários

  1. Uma vez assisti um programa de TV que falava exatamente sobre isso, a corrupção que se instala nas pessoas em geral, e que não são vistas como tal. Ainda não conhecia esse livro, desse autor, e já estou encantada pela forma como ele aborda isso de maneira reflexiva. Quero ler essa obra.

    ResponderExcluir
  2. Fabi!
    O bom do autor é a diversidade dos livros que escreve e esse de alguma forma não deixa de ser uma autoajuda no sentido de questionarmos nossas próprias atitudes no cotidiano e nos fazer refletir sobre elas.
    “O Natal não é um momento nem uma estação, senão um estado da mente. Valorize a vida.” (Desconhecido)
    Boas Festas!
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de DEZEMBRO ESPECIAL livros + BRINDES e 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Ainda não li nem um livro do autor Augusto Cury, e não conheço muitos livros dele, gostei muito de conhecer um pouco mais sobre este livro, e sem dúvidas pretendo ler.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Os livros do Augusto Cury são maravilhosos, não conhecia esse ainda, mas estou ansiosa para ler.

    ResponderExcluir
  5. Livros que nos fazem refletir são sempre os melhores, a história é muito atual. E usar um político como personagem deixa bem curioso.

    ResponderExcluir
  6. Olá,
    Confesso que nunca li nada do Cury e mais esse título não conseguiu despertar minha curiosidade.
    Adorei saber suas impressões sobre a obra e que nos faz refletir sobre o que realmente é a corrupção e se ela se enquadra em algumas atitudes que acabamos por cometer.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Posso está sendo preconceituoso, mas eu pensava que todos os livros do Cury fossem de auto-ajuda, por isso eu nunca quis ler nenhuma de suas obras, mas está parece incrível. E adorei a pegada do personagem principal ser chamado de Napoleão, rs e também o assunto que é tratado é algo que vem do passado e até hoje temos na atualidade que é a corrupção, os tantos de casos que aumentam e que sempre ficamos surpresos. Vou procurar ler futuramente, para um livro que traz muita reflexão para o leitor.
    Trouxa do Livro

    ResponderExcluir
  8. Olá! Só li um livro do Augusto Cury até hoje, O Código da Inteligência, e tenho muita vontade de ler outros dele, principalmente os de ficção, como esse que você resenhou. São livros ótimos, para se ler com calma, que trazem muitas reflexões que podemos levar para a vida. Dica anotada.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Gosto muito desse autor! Tenho um livro dele que tem umas 50 marcações de frases hahaha ele escreve muito bem!
    Não conhecia esse livro, mas realmente ele deve nos fazer pensar sobre nossos atos. É mais ou menos como uma frase que vi há um tempo:
    Se você tem a chance de roubar uma caneta, você rouba
    Se você tem a chance de roubar milhões, você rouba

    A idoneidade da pessoa mau caráter acaba quando surgem oportunidades. Algo assim hahaha

    Beijos,
    Kemmy - Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  10. Até hoje nunca li nada do autor, mas tenho uma vontade imensa, porque gosto de livros com essa temática. Esse ano 2017, vou ler com certeza. Bjkas

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre =^.^=

*** Comentários serão respondidos por aqui mesmo, através de comentário.

Acompanhe por E-mail

Facebook

Editoras Parceiras