Lentes mágicas #13: Lembra?

11/08/2011


Eu vou confessar pra vocês: nunca li nada do Nicholas Sparks! Mas adoro ele através dos livros que foram adaptados para o cinema. As histórias são complexas e mas não sei se um dia pretendo ler os livros dele... 
Vi todos os filmes adaptados dos livros desse autor de sucesso. Seus filmes são geralmente aqueles que nos fazem derreter, chorar a exaustão. Sabem que eu não curto muito essas histórias (meu estilo de romance é outro), mas como boa amante do cinema devo respeitar os filmes e aceita-los por mais defeitos que tenham. Como foi o caso, de "Um amor para recordar", chorei muito desde a primeira vez que o vi. 


Título original: (A Walk to Remember)
Título em português: Um Amor Para Recordar
Lançamento: 2002 (EUA)
Direção: Adam Shankman
Roteiro: Nicholas Sparks e Karen Janszen
Atores: Shane West, Mandy Moore, Peter Coyote, Daryl Hannah.
Duração: 101 min
Gênero: Romance/Drama

Sinopse:
"Landon é um jovem sem metas, medroso e irresponsável, que foi punido por ter feito uma brincadeira de mau gosto à um rapaz que quase fica paraplégico. Como punição, o diretor da escola faz com que ele participe da produção de uma peça que está sendo montada, onde conhece Jamie Sullivan, filha do pastor da pequena cidadezinha onde moram, uma garota "certinha" que o ajuda a ensaiar para a peça com apenas uma condição: ele não pode se apaixonar por ela. Um lindo amor nasce, mas Jamie guarda um segredo que está doente e pode morrer."


Assisti este filme a primeira vez em 2003. Lembro que escrevi em meu diário que chorei muito, pela metáfora do filme me fazer pensar em todos os meus problemas daquela época. Ver um filme com aquele amor lindo, suave e trágico que só Sparks sabe contar (digo isso comparando com os outros filmes).


Pra quem nunca viu, o filme é uma adaptação do livro de mesmo nome e relata a estória de uma jovem de comportamento introvertido e puritano que, é isolada e rotulada de "nerd" em seu meio escolar por seu jeito alienado de agir e vestir. Em contrapartida nos deparamos com seu par romântico, totalmente rebelde e popular. A idéia do romance é um pouco piegas, exatamente por querer fazer com que o personagem Landon Carter, vivido por Shane West, passe por uma transformação idiossincrática para adaptar-se ao perfil da mocinha-esteriótipo rejeitada. (o amor transforma tudo?)


Como o filme é voltado para um público específico - adolescentes - é até tolerável a proposta, porém, a forma com que é conduzida, me incomodou um pouco. Na verdade, um filme para ser bonito, inspirador e emocionante, não necessita usar os mesmos artifícios para alcançar tais resultados. Mas ele alcança. Mesmo o rebelde se regenerando, mesmo o amor quase instantâneo dos dois, um tanto forçado, transmite a mensagem. Já me disseram que o livro é melhor que o filme, mas vou deixar que vocês me digam...


Me deparei neste filme com a maturidade de Mandy, o que normalmente não encontramos nos filmes estrelados por cantoras. E um dos motivos foi que a realização do projeto não se limitou em divulgar a imagem de cantora da Mandy Moore, e sim, apresentou uma trama de peso e a ajudou na interpretação. 


Quanto as outras interpretações, adorei Peter Coyote como o pai de Mandy. A posição racional, áustera e conservadora de um pai protetor e líder religioso, ficaram muito bem definidas por sua performance. A cena que mais gosto dele é quando ele está com a filha no hospital, é de uma emoção tocante! 

Mandy, como já citei, também não desagradou, até me surpreendeu. Já os coadjuvantes em geral não se saíram bem, assim como o próprio par romântico de Mandy: Shane West. Ele não chega onde deve chegar com a personagem, e a meu ver, ele errou feio em limitar sua representação à "caras e bocas" (mais bocas... reparem no "bico" constante do ator! rs). Parecia mais uma tentativa desesperada do ator em querer transmitir uma imagem de galã, o que soou nada convincente. A cena em que ele, transtornado no carro, tenta esboçar um choro, ficou confusa. Não dá pra se saber ao certo o que ele estava tentando expressar. Sua feição trasmitia qualquer coisa, menos tristeza (aff). 

E sobre o triste e irredutível desfecho, ao contrário do que muitos acharam, foi pra mim satisfatório; melhor que a conclusão batida do "felizes para sempre", afinal, se é um amor pra recordar, evidentemente não tinha escapatória para a mocinha. Ainda mais sendo uma mocinha de Sparks (ele tem a fama de matar personagens).

A trilha sonora é extremamente romântica e composta obviamente por algumas canções de Mandy como, "Only Hope" que ela interpreta no filme, e "Cry" que é a canção carro-chefe. São músicas melosas, mas suportáveis até. Para o filme ficaram sob medida. E como última observação, eu não pude deixar de reparar na fotografia fosca. Ficou com um aspecto de filme independente... antigo. Não sei se faltou investimento, mas podemos dizer que foi a proposta...

Concluindo, o filme não tem novidades, mas o filme, emociona, cativa e traz até alguns questionamentos interessantes... Paradoxo? Contraditório? Eu sei. Mas é verdade! Ironicamente tenho que concordar com a maioria... o filme é bonito! Insisto... ainda que analisando meticulosamente o mesmo, e descobrindo mais falhas do que eu veria normalmente, o filme continua sendo, inexplicavelmente, bonito.

O que mais me chateia nos romances de Nicholas Sparks, é de todo mundo reclamar que ele tem uma fixação terrível em matar um dos personagens, quando eles estão no auge da paixão e do amor, quando eles finalmente, encontram a cara metade, alma gêmea. Bacana! Porque será que ele não pode dar um final infeliz para suas histórias? O que há de mal nisso? É a marca registrada dele, e e mesmo assim muita gente lê! Só assim que eu consigo tolerar um pouco mais os filmes de romance... enfim... este, é bem um amor para recordar... bem sessão da tarde em dia de chuva! (me perdoem!)

A mais recente adaptação foi o romance "Dear John" (Querido John), que eu tenho certeza me fará chorar também (principalmente com a atuação da Amanda, rsrs). Com "Dear John", eu imagino que quem morre é John, pois no final do trailer, temos uma "dica"... Não vi este filme ainda, são só suspeitas... hehe. Quem sabe escrevo sobre ele um dia?


Abraços a todos


Até quinta que vem!

Que tal conferir também...

12 comentários

  1. Olá, tudo bem ?

    Eu sempre que vejo o filme choro e quando li o livro da novo conceito não foi diferente, me emocionei muito e realmente faz as pessoas reverem seus conceitos sobre algumas coisas. Acredito que esse filme e o livro ainda irá fazer sucesso por muito tempo !

    Beijoos, Patty
    Cartas para Ficção

    ResponderExcluir
  2. Adoro os filmes baseados nos livros do nicholas... Dear John é o meu preferido ... e só comento que vc Gi está no caminho errado hauahuaau =X

    ResponderExcluir
  3. Olha, eu já li tudo do Nicholas que foi lançado por aqui e tb já vi tds os filmes..sou fãnzoca msm do cara!
    Mas esse filme é algo ne..parabéns pela escolha, é lindo, emocionante msm!

    Bjos
    Raffa Fustagno
    http://livrosminhaterapia.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. OMG! eu sou meio fraca para filmes e eu sempre choro, adoro o Nicholas Sparks mas esta coisa de matar personagens no auge da paixao me deixa louca, eu comcerteza vou ver este filme, so nao sei se consiguerei nao chorar ♥
    adorei a dica !

    ResponderExcluir
  5. Concordo com a Gi, o clichê 'felizes para sempre' em tudo quanto é romance cansa um pouco, viu? Um final infeliz de vez enquando é bom, afinal, na vida real nem tudo é conto de fadas, não!

    @BobbyDupeaGirl

    ResponderExcluir
  6. @Marcia Nascimento

    Adorei ser defendida! Cada um é cada qual e viva a diversidade... senão o que seria de nós? Tudo igual, não iria ser legal! (ix, até rimou!)
    Valeu Márcia!

    ResponderExcluir
  7. É isso aí,Gi! Imagina 'Um Amor para Recordar' com a mocinha curada da doença, casando com seu grande amor, vivendo feliz numa casa fofa e de quebra um netinho pra amolecer o coração do pai conservador dela... argh, MUITO clichê, né? Além disso, acho que finais infelizes, fazem a gente refletir mais sobre a vida, o amor, nossas escolhas e suas consequências.
    Nada a ver com o Nicholas, mas outro filme que adoro e não mudaria o final, é Cidade dos Anjos... muita gente deve odiar o final, mas eu achei perfeito!

    Bj, Gi

    @BobbyDupeaGirl

    ResponderExcluir
  8. Nunca li nada do Sparks. Nem gosto de filmes de romance, porque alguém sempre morre rs. Mas esse eu vi, vi de novo e sempre chorava horrores, muito bom.

    ResponderExcluir
  9. Assisti outrs filmes baseados nos livros de Sparks, mas esse não. Nem li o livro! Pretendo fazer os dois! Porque gosto muito das adaptações dos livros dele para o cinema!

    ResponderExcluir
  10. Realmente esse filme é bonito, nunca li os livros do Sparks.. Quem saiba um dia eu crie coragem rsrs

    ResponderExcluir
  11. eu tbm ja vi outros filmes baseados nesse livro de Sparks

    ResponderExcluir
  12. Pode até ser um filme estilo Sessão da Tarde, mas quantas vezes assistimos o mesmo filme por pior que seja quando passa na TV? Várias, não é mesmo?
    O fato é que apesar de parecer mais do mesmo, feito para adolescentes, o filme passa uma mensagem forte e bonita. Adoro!
    E não estou te recriminando não, tá Gi...rsrsrs
    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre =^.^=

*** Comentários serão respondidos por aqui mesmo, através de comentário.

Acompanhe por E-mail

Facebook

Editoras Parceiras