Identidade Roubada–Opiniões

09/08/2011

Contra Capa

Capa_IdentidadeRoubada_14mm.pdfEra para ser um dia como outro qualquer na vida de Annie O’Sullivan. A corretora de imóveis levanta da cama com três objetivos: vender uma casa, fazer as pazes com a mãe e não se atrasar para o jantar com o namorado.
Naquele domingo, aparecem poucas pessoas interessadas em visitar o imóvel. Quando Annie está prestes a ir embora, uma van estaciona diante da casa e um homem sorridente vem em sua direção. A corretora tem certeza de que será seu dia de sorte. Mas o inferno está apenas começando.
Sequestrada por um psicopata, Annie fica presa durante um ano inteiro em um chalé nas montanhas, onde vive um pesadelo que deixará marcas profundas.
Construído de maneira extremamente original, Identidade roubada é o relato visceral que Annie faz à sua terapeuta dos 365 dias em que ficou à mercê do homem a quem chamava de Maníaco.
As memórias que vêm à luz ao longo de 26 sessões de análise são intercaladas com a história de sua vida desde que conseguiu escapar do chalé: a luta para superar seus medos e se reencontrar, a investigação policial para descobrir a identidade do sequestrador e a sensação perturbadora de que seu martírio ainda não acabou.
Em sua estreia, Chevy Stevens cria uma heroína inesquecível que, depois de sobreviver a uma experiência devastadora, precisa descobrir a verdade para se libertar.
Surpreendente e avassalador desde a primeira página, este thriller psicológico entrou na lista de mais vendidos do The New York Times e foi finalista dos conceituados prêmios Arthur Ellis e International Thriller of the Year.

“O interessante é que quase ninguém pergunta como me sinto agora… não que eu fosse dizer. Só me pergunto por que não há interesse em saber o que acontece depois… todo mundo só quer saber da história. Acho que as pessoas pensam que a coisa acaba ali. Quem dera. (pág. 52)

E é com uma citação do livro que começo a tentar escrever minhas opiniões…

Diferente do que estou acostumada a ler, o livro me manteve em cima de brasa por praticamente toda a leitura. Em um primeiro momento, temos a impressão de que vamos ver um relato sobre uma mulher que incrivelmente conseguiu escapar com vida de um sequestrador sádico. Acontece que página por página começamos a ver que escapar com vida é algo muito amplo, afinal, embora viva Annie é outra pessoa.

Fechada, beirando a loucura e amarga (com razão) a primeira impressão que temos da Annie é que ela não vai te conquistar, que a história dela não é o caos todo que aparenta e que a autora só está fazendo ela parecer aquelas meninas mimadas que não estão acostumadas a serem contrariadas. E foi ai que o livro que ganhou!!!!

Annie não é nada disso. Ela não é uma menina teimosa querendo dizer que sua vida está uma merda quando realmente não é tão ruim. Sua vida foi, durante um ano uma verdadeira merda e agora, embora ela esteja livre, as coisas não estão muito melhores.

Descobrimos tudo o que aconteceu com Annie através de seu relato a sua terapeuta. Durante a terapia, hora temos Annie falando o que aconteceu nos últimos dias, horas o que aconteceu no ano em que esteve nas mãos de alguém que ela se refere apenas como maníaco.

E quando pensamos que as coisas vão ficar só na narrativa do que passou, uma tentativa de um novo sequestro aparece nas páginas e faz a gente se sentir no meio daqueles filmes de suspense que te arregala os olhos e que tudo a sua volta te assusta. A partir desse momento, comecei a desconfiar de tudo, de todos e, assim como Annie me recusei a acreditar em algumas coisas que começavam a parecer como fácil demais ou bondade demais.

Gary merece uma atenção especial. E se a autora não tivesse colocado detalhes sobre eles antes de Annie contar sobre seu interrogatório após estar livre, acho que eu não gostaria nem um pouco dele. Mas mesmo assim, talvez seria impossível não ser conquistada por ele. Fazia tempo que eu não via um policial com um jeito tão prestativo (e olha que eu sou fã de séries criminais). Agora fazendo a resenha, acho que o melhor jeito de dizer como acabei vendo ele é dizer que seu jeito se parece um tanto com o Derek Morgan de Criminal Minds.

Nós devemos sair por aí só com pensamentos positivos na cabeça, e então tudo será sombra e agua fresca. (…) Mas a merda não apenas acontece. Ela derruba e esmaga você no chão, porque somos idiotas o bastante para acreditar em sombra e agua fresca. (pág. 78)

Apavorante e sufocante, sem precisar ser um livro de terror; emocionante e dramático, sem precisar apelar para sentimentalismos, Chevy Stevens escreve uma história que me tocou e que não vai sair da minha cabeça durante um bom tempo. Um relato sobre como as coisas podem mudar em um piscar de olhos, em como a vida pode ser transformada em apenas uma coisa mecânica, em como nunca conhecemos realmente quem nos cerca. Para quem gosta de suspense e tramas policiais, é a dica perfeita! Arrisco dizer que foi um dos melhores livros que li esse ano. Obrigada Editora Arqueiro por me proporcionar esse presente! licavargas ass444

 

 

ficha identidade roubada

(Eu disse que eu queria muito ler esse livro e que quando ele chegasse as minhas mãos eu atropelaria minha fila… E não me arrependo!)

Romântica incurável com um toque de Drama Queen. Sonhadora, teimosa e viciada em livros, afinal, se você não pode cair no mundo, viva através dos personagens! Criadora do blog Amores e Livros, ainda acredita que um dia será paga para ler! Facebook / Twitter / Instagram

Que tal conferir também...

12 comentários

  1. Olá!
    Este livro parece ser muito interessante, quero muito ler! adorei resenha!!!
    Aproveito para te convidar a participar do concurso cultural que ta rolando no blog,"o que faria se tivesse apenas meia hora?"
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com
    bjs

    ResponderExcluir
  2. A primeira resenha que li desse livro foi lá no Envenenadas e fiquei super curiosa pra ler... agora, depois de ler a sua resenha Lica, minha vontade ficou muito mais aguçada!!!

    @BobbyDupeaGirl

    ResponderExcluir
  3. Eu adorei a resenha Lica!! Como estou ainda no in´cio, pág 40 mais ou menos, afirmo algumas das coisas que vc mencionou. O livro cativa e te prende. Te prende justamente pelo sadismo do sequestrador, da forma como a Annie vai narrando a história! Em nenhum momento ainda senti pena dela, só ódio do sequestrador. Gary ainda não me chamou a atenção, vamos ver daqui pra frente.

    ResponderExcluir
  4. É a segunda resenha que eu leio sobre esse livro e MEU DEUS alguém me dá de presente de aniversário? *_*

    ResponderExcluir
  5. sabe quando vc se apaixona por um livro pela capa e logo depois voce v a sinopse e acha le o melhor, mas mesmo assim vc fica naquela duvida..bem foi assim comigo ate eu ler a sua resenha, agora eu quero o livro, adorei mesmo, parece super boa a dica Lica e se alguem quiser pode me dar de presente ok!! rsrsrsr

    ResponderExcluir
  6. Ja estava de olho no livro, mas é a primeira resenha que leio.
    Nem preciso dizer que depois dessa resenha preciso mesmo ter esse livro, ne? HAUHAUA

    ResponderExcluir
  7. Eu preciso ter esse livro em minhas mãos. Agora! HAUSHAU'

    ResponderExcluir
  8. Eu amei a resenha muito bem escrita e quero muito ler este livro!

    ResponderExcluir
  9. Parece um ivro super forte e emocionante, uma leitura que prende e leva a muitas reflexões sobre a capacidade do ser humano para o bem e o mal.
    Vi a capa do livro faz tempinho e achei bem atraente, mas não tinha a mínima idéia do que tratava, achei que era um tema totalmente diferente, um romance ou algo do gênero.
    Bjkas,

    Monique Martins
    MoniqueMar
    @moniquemar

    ResponderExcluir
  10. Adorei a resenha! A estória parece ser bastante interessante, quero muito ler *---*

    ResponderExcluir
  11. Parece ser um livro bem legal, quero muito ler ele, gosto de livros desse genero =]

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre =^.^=

*** Comentários serão respondidos por aqui mesmo, através de comentário.

Acompanhe por E-mail

Facebook

Editoras Parceiras