O noivo da minha melhor amiga – Emily Giffin

26/03/2012

onoivodaminha"O Noivo da Minha Melhor Amiga conta a história de Rachel, uma jovem advogada de Manhattan. A moça, sempre vista por si mesma e por seus amigos como a "certinha" e bem-comportada, muda radicalmente no seu aniversário de trinta anos, após a festa oferecida por sua melhor amiga, Darcy. Meio deprimida por chegar aos trinta sem o marido e os filhos que imaginava ter a essa altura da vida, Rachel se excede na comemoração e termina a noite na cama com Dex, seu grande amigo de faculdade e noivo da sua melhor amiga. Até a noite em que ficou com Dex, Rachel era o modelo de filha e amiga perfeita, embora se visse como um fracasso. Nunca transgrediu as leis, nem mesmo as de horário de trabalho, ao contrário da egoísta, narcisista mas irresistível Darcy, em torno da qual Rachel e, posteriormente, Dex sempre orbitaram. Enquanto a boa moça e tímida Rachel teve alguns poucos namorados e conseguiu um emprego estável porém sem graça num escritório de advocacia, a linda e popular Darcy namorou todos os bonitões do colégio, construiu uma glamourosa carreira de Relações Públicas e sempre conseguiu tudo o que quis, inclusive manipular e obrigar Rachel a fazer o que desejava. E agora, após uma noite com o noivo da melhor amiga, Rachel acorda determinada a esquecer para sempre o fatídico encontro, mas acaba descobrindo que sempre amou Dex. E, apesar da amizade a Darcy, começa a perceber que ela não é exatamente o que se espera de uma melhor amiga. À medida que a data do casamento se aproxima, Rachel se desespera com a urgência da decisão que precisa tomar e acaba passando por uma profunda reavaliação de sua vida, para concluir que "certo" e "errado" são conceitos muito relativos. Narrado em primeira pessoa por Rachel, o livro ganha a simpatia do leitor pela empatia da protagonista, que expõe suas dúvidas e sentimentos de forma muito honesta e humana. E o final reserva grandes surpresas.
“Mas aprendi que é você quem constrói a sua própria felicidade, que para ganhar algo que se deseja muito é necessário perder algo também. E quando os riscos são grandes, as perdas também podem ser” (pág. 350)
Emily Giffin começa a história de O noivo da minha melhor amiga de forma direta. Não passamos páginas e páginas acompanhando o pensamento de “devo ou não devo trair minha amiga”. Pelo contrário, a traição acontece e o que temos é Rachel no meio de um dilema de “fiz o certo ou fiz o errado”.

Na sinopse, lemos que "certo" e "errado" são conceitos muito relativos. Eu fiquei muito em dúvida se realmente é isso mesmo. Quer dizer, Rachel e Darcy são amigas desde a infância, mas pouco dá para sentir essa amizade. Ficou difícil acreditar que as duas são super amigas, ainda mais quando Rachel falando tão mal de Darcy e de seu comportamento. No fundo, o que passou para mim é que Rachel era a pobre menina abusada pela Rainha Má, no caso Darcy.

Eu sei que o radicalismo não funciona na vida real, que esse negócio de 8 ou 80 é para poucos e mesmo assim tem suas falhas, mas acredito que a Darcy não deveria ter sido pintada de forma tão ruim para que aceitássemos o relacionamento de Rachel e Dexter. Quer dizer, é fácil torcer por Rachel quando tudo o que vemos é que a Darcy apenas teve o que merecia.

Acho que é isso que eu gostaria de ver diferente. Gostaria de ver que Dexter não é somente um noivo incompreendido, assim como ver que Rachel faz o que faz em busca de sua própria felicidade e não apenas como uma resposta do tão famoso carma para a vida de Darcy.

Quem escreveu uma resenha muito boa sobre o livro foi a Lívia do Leiturinhas. Passa lá e dá uma olhadinha =)
Lica






Romântica incurável com um toque de Drama Queen. Sonhadora, teimosa e viciada em livros, afinal, se você não pode cair no mundo, viva através dos personagens! Criadora do blog Amores e Livros, ainda acredita que um dia será paga para ler! Facebook / Twitter / Instagram

Que tal conferir também...

8 comentários

  1. Concordo! Eu li esse livro para poder compreender melhor Presentes da Vida, mas eu detestei. A Rachel se coloca no papel de vítima o tempo inteiro, como se a Darcy a obrigasse a aceitar as coisas. Na verdade foi ela que não quis se impor e quando viu que poderia ter o noivo perfeito da amiga não pensou duas vezes e "deu o troco" A Rachel é uma falsa.

    Beijos

    Amigas entre Livros

    ResponderExcluir
  2. Gostei da resenha! A Emily Giffin é diva em abordar o tema traição... Acho que também iria gostar deste livro. Quero assistir o filme primeiro, porque gostei bastante da resenha do filme!

    ResponderExcluir
  3. @Laganowski Sabe Gabi, eu acho que a história para filme se sustenta. Quer dizer, é meio "sessão da tarde" mas legal... Agora como livro, esperava um pouco mais, no sentido que comentei na resenha de querer que as coisas fossem um pouco diferente...

    E como você falou, incrível como a traição é uma constante nos livros dela...

    ResponderExcluir
  4. @Licavargas

    Sim, sempre tem traição! Agora que descobri sobre esse livro e sobre Presentes da vida ser uma espécie de continuação terei de ler ele mesmo ou no mínimo ver o filme antes de ler o livro da NC!

    ResponderExcluir
  5. Rachel ou Darcy, quem tá certa e quem tá errada? Quem traiu quem? Hum, esse só lendo pra poder opinar, mas gostei da resenha. A resenha da Lívia então... rolou até um Nietzsche! Hahaha, muito boa.

    @BobbyDupeaGirl

    ResponderExcluir
  6. Quando o assunto é traição é dificil escolher um lado... Principalmente se acontece da historia ser do jeito como você descreveu...
    Eu acredito que traição é traição, não importa se o outro mereceu ou não.
    Curiosa para ler o livro e ver se Emily consegue me fazer pensar diferente...

    ResponderExcluir
  7. Certo e errado são conceitos tão relativos... Mas não acho que isso se enquadre quando o assunto é traição, sei lá... Eu meio que concordo com o comentário da Silvana...
    Fiquei curiosa para ver como a Emily coloca esse assunto nas páginas...

    ResponderExcluir
  8. Eu ouvi muito sobre o livro na fase do lançamento do filme... Achei naquele momento que era muita falação e tal só por causa da Kate Hudson...
    Esse é aquele tipo de livro que me faz pensar que, talvez até leia, mas que ao mesmo tempo não fico triste se não conseguir ler, entende?

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita, dê sua opinião, participe e volte sempre =^.^=

*** Comentários serão respondidos por aqui mesmo, através de comentário.

Acompanhe por E-mail

Facebook

Editoras Parceiras